segunda-feira, janeiro 19, 2009

Afinal há crise! Mas há também a Soraia Chaves ...

Assistimos nos últimos tempos a uma conversa tipo boomerang entre os políticos do sistema mais os seus belos apaniguados dos jornalismos e dos “opinadores” publicáveis no pais.

Uns dizem que há crise, outros dizem que estamos preparados, outros que não e o Zé Povinho continua impávido e sereno a ver as bocas passarem, completamente a leste do paraíso sobre o que irá ocorrer nos próximos tempos.

Mas se os políticos dão conta de um aparente optimismo – para não criar pânico e estabelecer a confiança, segundo dizem – não deixam de tomar algumas medidas de fundo, escamoteadas por toda a comunicação, partidos, etc.

Uma das mais emblemáticas (para além da reorganização da GNR) prende-se com a nova Lei de reorganização das Forças Armadas.

Nessa Lei (a que ninguém ligou!!!!!) para além de questões técnicas pacíficas sobre comandos, operacionalidades, etc, surge um novo conceito revelador do “medo histérico” dos do sistema face ao que poderá (deverá) acontecer neste “pais”.

Referimo-nos à possibilidade (pela primeira vez expresso na Lei do país pós PREC) de utilização das Forças Armadas em operações contra a própria população, como força supletiva às Forças de Segurança – PSP e GNR – quando as mesmas forem incapazes de tomarem conta do recado. Ou seja perspectiva-se a possibilidade dada aos políticos (dependem nesse caso do Governo e não do Comandante Chefe – Presidente desta República) de usarem o aparelho militar para atirar sobre o povo português (ou como dizia um tal Soares - no 7 de Setembro em Moçambique – “se necessário atirem-nos ao mar”...)

Para isso temos os F16 muito efectivos a bombardear o povo português (em fúria) nas ruas de Lisboa.

E que me dizem dos novos tanques Leopard (topo de gama) a passarem com as suas lagartas por cima dos civis em cólera.

É evidente que isto é uma suposição extremada. Em princípio ridícula. Mas é uma possibilidade que se abre.

E dizem “eles” que a crise está controlada ... Olho neles, e não deixem passar estas situações, que “eles” omitem aos portugueses!



Estarão “eles” em pânico? Olhem que sim (tentam disfarçar, coitados...), senão não vinha o licenciado em engenharia (pela Independente) Sousa falar – como grande bandeira eleitoral – do casamento e adopção por casais dos gays. Pão e circo, já diziam os romanos. Pão não vai haver. Propiciemos aos portugueses um circo em que os palhaços vão entretendo o “país” com os seus números humorísticos. A cacetada vai ser bem grande, mas até lá temos as novelas, o futebol, as “vidas” dos famosos, a vida sexual de Salazar na TV (com a Soraia Chaves, uau...), etc. Quando acordarem já terão decorrido as “eleições”. E nessa altura é que a porca torce o rabo. Vão ser para aí 8 a 10 anos a penar (ainda mais...)

1 comentário:

Miguel disse...

O "governo" está tramado!
A não esquecer as famosas percentagens que se realizam no país do faz-de-conta, andam todos a aumentar as percentagens! são os sindicatos a dizer que a greve teve uma adesão X, são esse gajos a falar em Y...
Qualquer dia ainda vão dizer que há gajos em portugal a ganhar milhares de euros por mês...